Dicas de iluminação residencial

Ter um ambiente bem iluminado é fundamental tanto para uma decoração agradável, para um ambiente aconchegante e para cumprir nossas tarefas básicas diárias.Para isso precisamos de claridade. Os espaços onde cuidamos da higiene, da alimentação, do estudo, do trabalho e do lazer pedem iluminação adequada, com pontos de luz bem distribuídos e em quantidade suficiente para clarear sem ofuscar. Quanto mais opções de cenas, mais confortável fica o ambiente. As cenas são compostas por diversos tipos de iluminação.

Vamos entender melhor cada uma delas:

1. Iluminação no teto.

a. Os embutidos de forro: Eles vêm em duas versões: com borda de acabamento e sem borda, totalmente oculto sobre o teto, gerando um visual mais limpo. Como ambos têm o corpo da lâmpada acima do forro, antes de instalar é importante se certificar se há espaço suficiente para o equipamento escolhido e também para sua manutenção. Vale lembrar que alguns acompanham transformador, como os que usam lâmpadas AR 111. Com fachos direcionáveis, além de funcionais, os embutidos possibilitam também iluminação de destaque, sublinhando móveis, obras de arte e detalhes arquitetônicos. Para gerar luz homogênea, é fundamental que as peças estejam bem aprumadas no teto.

gesso-modelo_633615

b. Produtos de sobrepor: Quem não conta com forro de gesso, pode optar por produtos de sobrepor, fixados na laje, eles são compostos por uma caixa que embute sua estrutura: lâmpada e transformador de 12 V.

plafon

2. Iluminação de piso.

a. Balizadores: Temos as chamadas luzes de orientação. Indicadas para evitar acidentes e proporcionar uma circulação confortável, elas direcionam o caminho e conferem um efeito cênico. Para cumprir sua função, devem ser totalmente embutidas na parede, deixando apenas o acabamento aparente, e sempre estar mais altas que o rodapé. Instale os balizadores após a pintura da alvenaria.

escadas_2_projeto

b. Embutida no piso: É uma tendência em alta na decoração. Seja em ambiente fechado ou aberto, como jardim, para um resultado satisfatório é preciso que o equipamento siga a risca suas especificações quanto ao tipo de lâmpada, voltagem e se precisa ou não de transformador. Trata-se de um produto que deve ter a parte inferior chumbada no contrapiso, portanto, está aí outro cuidado importante: verifique se há profundidade suficiente para o modelo escolhido. Seu acabamento externo geralmente é de aço inox ou de alumínio e sempre de alta qualidade, para suportar o pisoteio.

prodotti-96289-rel943516f7c51d42b4b038447f2fcc7fc5

Como se anda sobre a luz, atente para a temperatura gerada no visor de vidro, as lâmpadas da família das halógenas costumam chegar perto dos 60° C, o que pode ser perigoso para crianças. Nesse caso, prefira o led que, além de não emitir calor, possui refletor bem menor e tem a mesma potência, fluxo luminoso e efeito decorativo das halogénas. Com vários tipos de ângulos de luz (120°, 60°, 38° e 10°), os embutidos de piso permitem desde fachos concentrados, até o efeito lavado. Para tanto deve ser calculada com precisão a distância entre o aparelho e a área a ser iluminada.

i239961

3. Iluminação arquitetônica.

Rasgos, fendas, rachaduras iluminadas: É surpreendente como a luz tem aguçado a criatividade de empresas e profissionais, a última palavra em iluminação são as luminárias que se fundem à arquitetura. Alguns produtos de gesso, moldados em fibra de vidro, se mimetizam ao forro do ambiente, dando movimento decorativo ao teto.

08a2ecc5e3f1240f6c742c2f1ca00332 c4a320e3ed5f3316b5e24574fc9ac3de

O resultado é um efeito de luz difusa, em que não se vê a fonte luminosa. O mesmo também pode ser feito em paredes de gesso acartonado. São equipamentos que passam a impressão de que a alvenaria foi rasgada e que por ali vaza um raio de luz. Abastecidos por leds, os produtos visam baixa manutenção.

decor+design+interiores+iluminação+aprenda+dicas+hinteriores+balneariocamboriu+blogdecor2 THE RUNNING MAGNET_design FLOS Architectural

4. Tipos de lâmpadas.

a. Lâmpadas comuns: Hoje, a maior parte das luminárias emprega lâmpadas da família das halógenas. Todas as de 12 V necessitam de transformador, entre as quais estão as mini- dicroicas, as dicroicas e as aR70 e aR 111. Já as halógenas PaR 20, 30 e 38, por dispensarem transformador, são ligadas diretamente na rede elétrica e usam equipamentos menores e mais discretos. Com focos de diferentes aberturas de ângulos – 10°, 38° e 70° – essas lâmpadas possibilitam inúmeros efeitos luminosos. Quanto menor o grau, mais potente é a sua luz. Todas emitem calor, por isso devem ficar a uma distância segura de poltronas, sofás e obras de arte.

lampadas_halogenas

b. Lâmpadas de Led: O led (diodo emissor de luz) é a tecnologia mais avançada no momento. Trata-se de um componente eletrônico que gera luz com baixíssimo consumo energético e tem vida longa, de até 100 mil horas, o segredo de tais qualidades está em seu dissipador de calor. Para garantir o bom funcionamento, é fundamental que o equipamento seja instalado com espaço livre ao redor, propiciando ventilação constante. Possui variação de tonalidades: branco quente (3 mil k), branco claro (4 mil k) e branco frio azulado (5 mil k). Na hora de comprar as peças para o ambiente, certifique-se de que o lote tem a mesma temperatura de luz, caso contrário o projeto luminotécnico será comprometido.

image004

Lembre-se também que além das dicas acima, você ainda pode apostar em peças de iluminação de designers conceituados, como abajur, luminárias de piso, de mesa, etc.

Conte com a ajuda de um profissional para ter um projeto de iluminação de acordo com o projeto, espaço e função. 

Espero que tenha gostado!

Abraços,

Ana Luiza Florez.

 


Quer fazer seu projeto conosco? Confira nossa loja de projetos de decoração on-line >> clique aqui <<

Não deixe de conferir o nosso post “Ambientes pequenos: dicas e segredos para aproveitar os espaços” >> clique aqui << 

Comments : 0

Leave a Reply

*

captcha *

WordPress spam blocked by CleanTalk.